Independentes de quem?

Lembro-me de uma aula que tive sobre história do Brasil, onde então meu professor falou: “No dia 7 de setembro de 1822, o Brasil se tornou independente de Portugal e passou agora a ser dependente da Inglaterra.” Não quero, nem vou avaliar a precisão desta frase, mas apenas enfatizar o óbvio que é o fato de que nada, nem ninguém é independente de fato.

Quando celebramos a independência do Brasil por exemplo, ignoramos a dependência que ele tem em vários outros lados. Quando alguém celebra a independência financeira dos pais, esquece que agora ele é dependente do seu trabalho e por aí vai. Em ultima análise, o que quero dizer é que não há ninguém neste mundo que seja  independente.

E se uma pessoa viver no topo do Everest, sem comunicação com ninguém, comendo o que achar até morrer? Poderia até dizer que ele continua dependente de comida, bebida e ar, mas vou apenas atestar que ele ainda sim continua dependente do pecado. Nascemos já escravos dele. Suas correntes, por mais pesadas que possam ser, nos acostumam, e começamos a achar que somos independentes e que fazemos nossa própria vontade, o que não passa de uma ilusão.

Cristo nos deu a verdadeira liberdade em sua morte. Não para que sejamos independentes, mas sim dependentes de sua vontade. Que a boa vontade de Deus seja a nossa também, e usufruir da Lei da perfeita liberdade em Cristo. Neste dia que a independência é celebrada, celebremos também! Mas a verdadeira! A liberdade do julgo do pecado e suas correntes e assim sirvamos ao Rei dos Reis.

Em Cristo,

 Pr. Léo