“Orando em todo tempo.” Efésios 6.18

Já proferimos muitas orações desde o momento em que aprendemos a orar! Nossa primeira oração foi em benefício de nós mesmos. Pedimos que Deus tivesse misericórdia de nós e perdoasse todos os nossos pecados. Ele nos ouviu. No entanto, quando Ele apagou nossos pecados, tínhamos mais orações em favor de nós mesmos. Temos sentido a necessidade de orar por graça santificadora, constrangedora e restringidora. Temos sido levados a ansiar por uma nova certeza da fé, a confortável aplicação da promessa, por livramento na hora da tentação, por ajuda no tempo do dever e alívio no dia da aflição. Temos sido impulsionados a buscar a Deus em favor de nossa alma, como mendigos incessantemente pedindo tudo.

Filho de Deus, dê testemunho de que jamais conseguiu de outra fonte alguma coisa para a sua alma. Todo pão do qual sua alma tem se alimentado vem do céu. Toda água que sua alma tem bebido procede da Rocha viva – Jesus Cristo, o Senhor. Sua alma nunca se tornou rica por ela mesma pois, sempre foi uma pensionista da generosidade diária de Deus; consequentemente, suas orações ascenderam aos céus por meio de misericórdias espirituais. Suas necessidades eram inumeráveis, por isso, o suprimento tem sido infinitamente grande. As suas orações têm sido tão variadas quanto as misericórdias têm sido inumeráveis.

Você pode dizer: “Amo o SENHOR, porque ele ouve a minha voz e as minhas súplicas” (Salmos 116.1). Como suas orações têm sido muitas, assim têm sido as respostas de Deus a elas. Deus o ouviu no dia da aflição; Ele o ajudou e fortaleceu, quando você O desonrou por meio do seu temor e dúvida junto ao trono de misericórdia. Recorde estas palavras e permita que encham seu coração de gratidão a Deus, que tem escutado graciosamente suas pobres e fracas orações: “Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios” (Salmos 103.2). C. Spurgeon

Fonte: www.voltemosaoevangelho.com.br